sexta-feira, 20 de setembro de 2013

"Brasil Sem Miséria" seleciona 200 famílias em Ibaretama


Ibaretama - A comunidade ibaretamense reuniu-se hoje (sexta-feira, 20) pela manhã na sede do município com representantes do Instituto Agropólos, Ematerce e Governo Municipal.

O objetivo era a apresentação das Ações do Plano Brasil sem Miséria no município, bem como anunciar a comunidade local a inserção de duzentas famílias ibaretamenses no Programa Brasil sem Miséria, quando cada família receberá cerca de R$ 2.400 dividido em três parcelas.

O auxilio será um complemento a renda do homem do campo. O fomento deverá ser investido durante um período de dois anos em atividades agrícolas e não agrícolas, com acompanhamento dos técnicos. O agricultor com isso melhorará sua qualidade de vida, afirma o presidente do Instituto Agropolos Leonildo Farias.

Em sua fala, Leonildo reforçou o apoio do Governo Municipal de Ibaretama, da assistência que vem sendo dispensada aos agricultores, na busca e desenvolvimento de projetos e no fortalecimento das parcerias. Salientou ainda sobre a importância dos projetos desenvolvidos pelo MDA e SDA estadual, municipal, em benefício de uma melhor qualidade de vida do agricultor.

Dentre as hum mil e oitocentas (1800) famílias cadastradas, Ibaretama foi contemplada com uma cota de duzentas. 

Merecíamos mais vagas, foi difícil selecionar, obedecemos criteriosamente os requisitos solicitados pelo MDA. Afirma o assessor da SDA de Ibaretama, Ednaldo Calixto.

O evento contou com a participação do presidente do Instituo Agropolos, Leonildo Farias, representando a prefeita de Ibaretama Elíria Queiroz (que encontrava-se na capital do estado em busca de carros novos para a saúde de Ibaretama, segundo o secretário presente na reunião), Karpegeanne Vieira secretário de Administração, vereadores Til e Carliano, técnicos do Agroplos, Ematerce, SDA de Ibaretama,  Secretário de Esportes Daniel Augusto, representando a Ação Social Elenira Sobrinho e ainda representantes e membros de várias associações e demais agricultores.

 



Por Georzito Ferreira Inácio;