sábado, 8 de junho de 2013

BOLSA FAMÍLIA Ibaretama cancela cadastro irregular

Ibaretama. Servidores e comerciantes recebendo o Bolsa Família irregularmente neste município tiveram o benefício cancelado. Após a denúncia feita pelo advogado João Vieira Picanço, ex-vereador e ex-presidente da Câmara de Vereadores de Ibaretama, no Diário do Nordeste, o assunto tem sido reputado como disputa política.

O coordenador João William Cabral disse que houve suspensão do benefício, após a denúncia publicada no Caderno Regional FOTO: ALEX PIMENTEL

Oposicionistas da atual administração criticam a Prefeitura. Os aliados da gestão municipal atribuem a responsabilidade aos prefeitos anteriores, por não terem feito os recadastramentos.

O acirramento político em torno das irregularidades é notório. A assistente social Leda Maria Vieira da Silva afirmou ter sido denunciada, ao invés de orientada a cancelar o benefício, porque na eleição anterior havia votado no ex-prefeito e seus candidatos. Na última eleição resolveu mudar de lado.

Ao saber da sua decisão o ex-vereador não teria ficado satisfeito. Ela acredita ter sido denunciada por ter desagradado os interesses políticos. Agora buscará orientação junto ao Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) para saber como fará a devolução do benefício recebido irregularmente, segundo ela, dos últimos quatro meses.

O ex-vereador João Vieira Picanço contesta as alegações da assistente social. Além de não ser sua eleitora, a relação dos beneficiários em situação irregular foi colhida aleatoriamente no portal do MDS. Foram levantados os nome de quem recebia mais de um salário mínimo, portanto, sem direito ao benefício federal, acrescentou.

Segundo o coordenador do CAD-Único, João William Cabral, mais conhecido como Joãozinho, uma das primeiras beneficiárias a procurar o posto após a reportagem foi a assistente social, que teve seu benefício cancelado. Ela continua exercendo o cargo de coordenadora do Centro de Referência e Assistência Social (Cras) do Município.

Bloqueio
Todavia, a prefeita Elíria Freitas de Queiroz, aguarda posicionamento do departamento jurídico da Prefeitura para saber se a irregularidade cometida pela servidora foi muito grave e lhe impedirá o exercício da função pública, acrescentou o coordenador. Quem também já atualizou o cadastro e não terá mais direito ao benefício foi Marlene Costa Ribeiro. Ela foi acusada na denúncia encaminhada ao Tribunal de Contas da União (TCU) e a Promotoria de Justiça de Ibaretama, de ser proprietária de uma lanchonete na cidade. Apesar de ter alegado não ser proprietária do estabelecimento comercial, a denunciada é casada com um vigia da Prefeitura. Apenas o salário dele, R$ 1.000,00, dividido pelo número de membros na família, ultrapassa o valor estipulado de renda per capta estipulado pelo Governo Federal, R$ 70,00, explicou Joãozinho.

Dos oito beneficiários denunciados ao Ministério Público, cuja lista foi encaminhada à Secretaria de Assistência Social de Ibaretama, até a publicação desta edição, apenas dois não haviam comparecido a unidade do CAD-Único para regularizarem suas situações. Conforme informou Joãozinho, por precaução os benefícios foram bloqueados. Serão liberados somente após a apresentação pelos interessados dos documentos necessários para o recadastramento.

ALEX PIMENTEL
COLABORADOR
 

informação extraída do DN em http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1276759