sábado, 6 de abril de 2013

BALANÇO DOS 100 DIAS - SETOR DE SAÚDE ESTÁ ENTRE AS PRIORIDADES


A prefeita de IbaretamaElíria Queiroz, diz enfrentar dificuldades neste início de gestão. Vários serviços básicos e principalmente os de Saúde e Educação estão sendo prejudicados. Segundo ela, são "marcas" da administração anterior, da qual foi adversária nas urnas. A Prefeitura Municipal está inadimplente tanto com o Estado como o governo federal.

Além da precariedade em hospitais e postos, prefeitos enfrentam dificuldades causadas pela escassez hídrica


Iguatu/Quixadá. Após os 100 primeiros dias de administração, uma das preocupações do prefeito de Iguatu, a maior da região Centro-Sul, com quase 100 mil habitantes, Aderilo Alcântara, é implantar uma reforma administrativa e solucionar o problema de contratação de servidores temporários. Há outros desafios nas áreas de saúde, educação e de geração de emprego e renda. Este município tem forte vocação agropecuária e o impacto causado pela seca na economia local reflete também na gestão pública . Muitos projetos foram adiados em decorrência da escassez d´água.


Um dos esforços da Prefeitura de Iguatu é ampliar o atendimento do Hospital Regional, melhorar a emergência e implantar unidades de terapia intensiva para adulto e infantil. A meta é também prioridade em outras cidades FOTO: HONÓRIO BARBOSA.

Os prefeitos dedicaram os primeiros 100 dias à organização administrativa e planejamento das ações. A estiagem que se arrasta desde 2012 acabou por tirar o foco de muitos projetos pensados durante a eleição passada.

Três meses após assumir o cargo de prefeito, Aderilo Alcântara faz um balanço positivo das primeiras ações, mas o gestor deparou-se com um problema que afetou o funcionamento da administração municipal e atingiu os serviços essenciais de saúde: a demissão de cerca de dois mil servidores municipais temporários por decisão judicial, no último dia 1º deste mês.

Ao longo deste ano, o gestor quer resolver esse problema a partir da implantação de uma reforma administrativa e realização de um novo concurso público. Na área de saúde, um dos esforços é ampliar o atendimento do Hospital Regional, melhorar o atendimento na emergência da unidade e implantar unidades de terapia intensiva para adulto e infantil.

O prefeito de Iguatu foi eleito recentemente presidente de um consórcio regional de municípios que vai participar da gestão da Policlínica Centro-Sul, que está concluída e fechada há mais de um ano. "O nosso esforço é para que o governo do Estado coloque em funcionamento essa unidade que vai oferecer importantes exames de imagem", frisou. "Temos também a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) construída e que precisa começar a funcionar".

A gestão municipal local dar continuidade ao projeto do ex-prefeito, Agenor Neto, que administrou Iguatu nos últimos oito anos. "Não temos problemas de atraso de salário, dívidas, obras abandonadas", frisou. "O prefeito Agenor Neto investiu em infraestrutura e estamos prontos para avançar ainda mais com base no projeto Cidade do Futuro, que está em andamento desde a administração anterior".

Administração em Icó
O prefeito de Icó, Jaime Júnior, disse que encontrou serviços básicos com funcionamento precário, atraso no pagamento de servidores e o município em situação inadimplente com o governo federal, impedido de receber verba. "Esses primeiros meses foi para resolver esses problemas e planejarmos as nossas ações e negociarmos dívidas", disse. A maioria das escolas municipais está em situação precária e a atual gestão encontrou unidades de saúde também sem funcionar ou com atendimento parcial. Jaime Júnior anunciou que vai implantar um programa social de apoio e transferência de renda para as famílias em situação de vulnerabilidade social. Outra ação do gestor é dar apoio integral à instalação do campus da Universidade Federal do Cariri, já assegurado por lei para o município de Icó.

O prefeito disse que a maior dificuldade é retirar o município da inadimplência e resolver pendências de convênios firmados com o governo federal e estadual. "Essa situação impede o recebimento de verbas e a realização de novos convênios". Para o pagamento dos salários atrasados do funcionalismo, foi firmado um Termo de Ajuste de Conduta com o Ministério Público Estadual e o desembolso será em oito meses.

Sertão Central
Após os seus primeiros três meses de administração, o perfeito de Quixadá, João Hudson Bezerra, mais conhecido como João da Sapataria, reclama de dificuldades na área da saúde. Segundo ele, apesar de receberem boa remuneração, sem atrasos, alguns profissionais da Medicina não estão tendo compromisso com o serviço público. Estão sendo advertidos e deverão se adaptar ao novo modelo de gestão. Enquanto aguarda a aprovação da construção de uma nova unidade hospitalar para o município reformas estão sendo realizadas para melhorar a estrutura predial do hospital atual.

Na avaliação do gestor municipal, onde é possível atender os anseios da população, com recursos próprios, as providências estão sendo adotadas. Foi o caso da limpeza da cidade e do início da coleta sistemática. Também foi iniciada a operação tapa-buraco nas principais vias públicas. A meta é pavimentar novas ruas e recapear toda a manta asfáltica. Mas como são necessários cerca de R$ 12 milhões dependerá de investimentos federais.

Outra meta é assegurar investimentos para implantação de indústrias na cidade o mais rápido possível. "Com o surgimento de empregos grande parte dos problemas cotidianos serão solucionados", estima.

Em Quixeramobim, o prefeito Cirilo Pimenta foca o início de sua gestão na assistência ao homem do campo, em razão da acentuada estiagem. Como o município tem na agricultura e, principalmente, na pecuária leiteira suas principais fontes de renda, ele está construindo adutoras nas comunidades rurais.

As outras obras, com recursos do Estado e do governo federal, estão continuando normalmente. É o caso do Hospital Regional. Está dentro do cronograma previsto. Apesar do início de sua nova gestão, Cirilo Pimenta acredita estar correspondendo aos anseios da maior parte de mais de 70 mil habitantes.

A prefeita de Ibaretama, Elíria Queiroz, diz enfrentar dificuldades neste início de gestão. Vários serviços básicos e principalmente os de Saúde e Educação estão sendo prejudicados. Segundo ela, são "marcas" da administração anterior, da qual foi adversária nas urnas. A Prefeitura Municipal está inadimplente tanto com o Estado como o governo federal.

Compromisso
"Não temos problemas de atraso de salário, dívidas ou obras abandonadas. Nosso esforço é fazer funcionar setor de saúde"Aderilo AlcântaraPrefeito de Iguatu

"Ainda temos muito trabalho pela frente, mas se depender de mim todos os compromissos serão cumpridos"
João Hudson Bezerra
Prefeito de Quixadá

HONÓRIO BARBOSA / ALEX PIMENTELREPÓRTER / COLABORADOR

INFORMAÇÃO EXTRAÍDA DO DN com adaptações;